Posts Tagged ‘Medo’

Herpes Combat Kit Você é capaz de jogar pétalas de rosas no caminho, ainda desconhecido, dessa menininha?

?Sol? 2000inove! asked:

Uma menininha linda, de cabelos longos e escuros, pele bronzeada, parecendo uma indiazinha.

Seu nome? Marina; 6 anos.

Morava com sua mãe e seu padrasto.

Setembro de 2008. Marina foi estuprada por um monstro!!

Quem é esse monstro?? Esse homem a quem ela confiava todos os seus medos de criança; todos os seus beijos e abraços de "quase filha!".
Sim. Seu padrasto!!!

Um dia depois...
Marina está com Hérpes Genital!
Lembrem-se: somente 6 anos!!!

Setembro de 2008.
Seu pai verdadeiro consegue a sua guarda.

A mãe se apavorou???
Não. A "mãe" retirou a queixa alegando que era a própria filhinha que se oferecia a seu padrasto!

Início de outubro de 2008.
A família de Marina procura uma psicóloga.
Ela se apaixona pela menininha.
Começa uma grande história de amor entre uma mulher que quer tomá-la em seus braços, afagar seus cabelos, beijar sua testa e dizer: "Fique tranquila, meu bem. Comigo você está segura!"
Setembro de 2008.
Marina é internada. A infecção se alastrou.

Dezembro de 2008.
Marina sai do hospital e fica em casa no natal.

19 de janeiro de 2009.
Marina volta ao hospital com o vírus do Hérpes no pescoço, colo e barriga.

Sua protetora ora e chora a seus pés no leito do hospital, todos os dias.

Por que ela não trata do seu taruma, já que é uma psicóloga?
Porque, agora, a menininha está cega e com um comprometimento neurológico!

11 de fevereiro, 1:00h da manhã.
Marina morre!
Não. Marina não morreu.
Ela vive! Está nos braços do Pai.

Assustada?
Acho que sim.

Com medo?
Jamais. A menininha foi corajosa e valente até o fim!

Hoje, o céu está em festa!
Marina voltou à nossa verdadeira Pátria!!!

Joguemos a seus pés, rosas e flores do campo.
É o mínimo que a menininha merece. Um caminho suave rumo ao infinito depois de uma caminhada árdua, difícil e dolorida aqui, no nosso Planeta Azul.

Vá com Deus meu anjinho!
Nos encontraremos na eternidade!

Obrigada por ter lido o desabafo de alguém que carrega em seu ser, a dúvida de "podia ter feito mais!"